Skip to content

Temer ordena a grupos de Deputados e Senadores a não darem ouvidos a movimentos de Rua

Featured Image -- 2730

Jovens de Esquerda

Em reunião no Palácio do Planalto com Deputados e Senadores, o Presidente interino Michel Temer pediu para os legisladores ignorarem os movimentos de ruas e os movimentos sociais. Para o presidente temporário é importante que os legisladores ignorem as vozes das ruas e do parlamento contra as propostas impopulares que o atual Governo interino vai apresentar no parlamento federal.

Em recente divulgação uma das personalidades mais fortes ao lado de Temer revelou em áudio que os capitães do exército nacional estariam monitorando os movimentos sociais em especial o MST, para em caso de reinvindicações poderem reprimir os movimentos. Segundo esses áudios os líderes do exército diziam que a situação está sobre “monitoramento”.

Temer ainda afirmou que não terá dificuldades em lidar com as manifestações populares“Eu fui secretário de segurança de São Paulo e estou acostumado em dialogar com bandidos”.  Outra medida anunciada é uma emenda à constituição que deve limitar…

Ver o post original 14 mais palavras

MUITO POSSIVELMENTE TODOS PRESIDENTES DOS TRÊS PODERES DO BRASIL SÃO ACUSADOS DE CORRUPÇÃO NA LAVA A JATO..


 

 

 

 

VOTE: QUAL SERIA O DIA IDEAL PARA A GREVE GERAL?

Participe do evento no Facebook convidando e divulgando a data para a greve geral aqui

Vote para ver o resultado, e se não tiver sua opção adicione. A data deve dar tempo de todos compartilharem a ideia com seus parentes a colegas de trabalho. Então não adianta só votar, tem que entrar na luta mesmo para que o Brasil inteiro pare de trabalhar. Em novas enquetes vamos votar para escolher nossas reivindicações: #ReformaPolitica do Povo com constituinte exclusiva e plebiscito. Com toda certeza quando todo povo for as ruas contra essa corja de corruptos as Forças Armadas estarão do nosso lado (DO LADO DO POVO) COMPARTILHE A REVOLUÇÃO NÃO VAI SER TELEVISIONDA PELA #REDEBOBO DE #TELEMANIPULAÇÃO #GREVEGERAL
https://www.youtube.com/watch?v=sOARTLJBRUg
https://www.youtube.com/watch?v=DJfxYgizfSw
Não da para fazer isso de uma hora para outra, as pessoas tem que saber, mas a imprensa sonegadora que apoia os corruptos não vão divulgar o dia da ‘VERDADEIRA INDEPENDÊNCIA’. Então é com todos nós que queremos um Brasil com excelentes serviços públicos e um futuro melhor para nossos filhos e netos, que vamos ter que fazer esse trabalho, mas se cada um de nós fizer a sua parte, até sete de setembro todos estarão sabendo. Crie eventos enquetes em suas páginas, ou em grupos de cidades para que essa data seja divulgada.

NA INTEGRA:

As novas gravações feitas pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, envolvem o presidente do Senado Renan Calheiros e Aécio Neves
LEIA TRECHOS DOS DIÁLOGOS:
SÉRGIO MACHADO ­ Agora, Renan, a situação tá grave.
RENAN CALHEIROS ­ Grave e vai complicar. Porque Andrade fazer [delação],
Odebrecht, OAS. [falando a outra pessoa, pede para ser feito um telefonema a um
jornalista]
MACHADO ­ Todos vão fazer.
RENAN ­ Todos vão fazer.
MACHADO ­ E essa é a preocupação. Porque é o seguinte, ela [Dilma] não se
sustenta mais. Ela tem três saídas. A mais simples seria ela pedir licença…
RENAN ­ Eu tive essa conversa com ela.
MACHADO ­ Ela continuar presidente, o Michel assumiria e garantiria ela e o Lula,
fazia um grande acordo. Ela tem três saídas: licença, renúncia ou impeachment. E vai
ser rápido. A mais segura para ela é pedir licença e continuar presidente. Se ela
continuar presidente, o Michel não é um sacana…
RENAN ­ A melhor solução para ela é um acordo que a turma topa. Não com ela. A
negociação é botar, é fazer o parlamentarismo e fazer o plebiscito, se o Supremo
permitir, daqui a três anos. Aí prepara a eleição, mantém a eleição, presidente com
nova…
[atende um telefonema com um jornalista]
RENAN ­ A perspectiva é daquele nosso amigo.
MACHADO ­ Meu amigo, então é isso, você tem trinta dias para resolver essa crise,
não tem mais do que isso. A economia não se sustenta mais, está explodindo…
RENAN ­ Queres que eu faça uma avaliação verdadeira? Não acredito em 30 dias,
não. Porque se a Odebrecht fala e essa mulher do João Santana fala, que é o que está
posto…
[apresenta um secretário de governo de Alagoas]
MACHADO ­ O Janot é um filho da puta da maior, da maior…
RENAN ­ O Janot… [inaudível]
MACHADO ­ O Janot tem certeza que eu sou o caixa de vocês. Então o que que ele
quer fazer? Ele não encontrou nada nem vai encontrar nada. Então ele quer me
desvincular de vocês, mediante Ricardo e mediante e mediante do Paulo Roberto,
dos 500 [mil reais], e me jogar para o Moro. E aí ele acha que o Moro, o Moro vai me
mandar prender, aí quebra a resistência e aí fudeu. Então a gente de precisa
[inaudível] presidente Sarney ter de encontro… Porque se me jogar lá embaixo, eu
estou fodido. E aí fica uma coisa… E isso não é análise, ele está insinuando para
pessoas que eu devo fazer [delação], aquela coisa toda… E isso não dá, isso quebra
tudo isso que está sendo feito.
RENAN ­ [inaudível]
MACHADO ­ Renan, esse cara é mau, é mau, é mau. Agora, tem que administrar
isso direito. Inclusive eu estou aqui desde ontem… Tem que ter uma ideia de como
vai ser. Porque se esse vagabundo jogar lá embaixo, aí é uma merda. Queria ver se
fazia uma conversa, vocês, que alternativa teria, porque aí eu me fodo.
RENAN ­ Sarney.
MACHADO ­ Sarney, fazer uma conversa particular. Com Romero, sei lá. E ver o
que sai disso. Eu estou aqui para esperar vocês para poder ver, agora, é um
vagabundo. Ele não tem nada contra você nem contra mim.
RENAN ­ Me disse [inaudível] ‘ó, se o Renan tiver feito alguma coisa, que não sei,
mas esse cara, porra, é um gênio. Porque nós não achamos nada.’
MACHADO ­ E já procuraram tudo.
RENAN ­ Tudo.
MACHADO ­ E não tem. Se tivesse alguma coisa contra você, já tinha jogado… E se
tivesse coisa contra mim [inaudível]. A pressão que ele quer usar, que está
insinuando, é que…
RENAN ­ Usou todo mundo.
MACHADO ­…está dando prazos etc é que vai me apartar de vocês. Mesma coisa, já
deu sinal com a filha do Eduardo e a mulher… Aquele negócio da filha do Eduardo, a
porra da menina não tem nada, Renan, inclusive falsificaram o documento dela. Ela
só é usuária de um cartão de crédito. E esse é o caminho [inaudível] das delações.
Então precisa ser feito algo no Brasil para poder mudar jogo porque ninguém vai
aguentar. Delcídio vai dizer alguma coisa de você?
RENAN ­ Deus me livre, Delcídio é o mais perigoso do mundo. O acordo [inaudível]
era para ele gravar a gente, eu acho, fazer aquele negócio que o J Hawilla fez.
MACHADO ­ Que filho da puta, rapaz.
RENAN ­ É um rebotalho de gente.
MACHADO ­ E vocês trabalhando para poder salvar ele.
RENAN ­ [Mudando de assunto] Bom, isso aí então tem que conversar com o
Sarney, com o teu advogado, que é muito bom. [inaudível] na delação.
MACHADO ­ Advogado não resolve isso.
RENAN ­ Traçar estratégia. [inaudível]
MACHADO ­ [inaudível] quanto a isso aí só tem estratégia política, o que se pode
fazer.
RENAN ­ [inaudível] advogado, conversar, né, para agir judicialmente.
MACHADO ­ Como é que você sugeriria, daqui eu vou passar na casa do presidente
Sarney.
RENAN ­ [inaudível]
MACHADO ­ Onde?
RENAN ­ Lá, ou na casa do Romero.
MACHADO ­ Na casa do Romero. Tá certo. Que horas mais ou menos?
RENAN ­ Não, a hora que você quiser eu vou estar por aqui, eu não vou sair não, eu
vou só mais tarde vou encontrar o Michel.
MACHADO ­ Michel, como é que está, como é que está tua relação com o Michel?
RENAN ­ Michel, eu disse pra ele, tem que sumir, rapaz. Nós estamos apoiando ele,
porque não é interessante brigar. Mas ele errou muito, negócio de Eduardo Cunha…
O Jader me reclamou aqui, ele foi lá na casa dele e ele estava lá o Eduardo Cunha. Aí
o Jader disse, ‘porra, também é demais, né’.
MACHADO ­ Renan, não sei se tu viu, um material que saiu na quinta ou sextafeira,
no UOL, um jornalista aqui, dizendo que quinta­feira tinha viajado às pressas…
RENAN ­ É, sacanagem.
MACHADO ­ Tu viu?
RENAN ­ Vi.
MACHADO ­ E que estava sendo montada operação no Nordeste com Polícia
Federal, o caralho, na quinta­feira.
RENAN ­ Eu vi.
MACHADO ­ Então, meu amigo, a gente tem que pensar como é que encontra uma
saída para isso aí, porque isso aí…
RENAN ­ Porque não…
MACHADO ­ Renan, só se fosse imbecil. Como é que tu vai sentar numa mesa para
negociar e diz que está ameaçado de preso, pô? Só quem não te conhece. É um
imbecil.
RENAN ­ Tem que ter um fato contra mim.
MACHADO ­ Mas mesmo que tivesse, você não ia dizer, porra, não ia se fragilizar,
não é imbecil. Agora, a Globo passou de qualquer limite, Renan.
RENAN ­ Eu marquei para segunda­feira uma conversa inicial com [inaudível] para
marcar… Ela me disse que a conversa dela com João Roberto [Marinho] foi
desastrosa. Ele disse para ela… Ela reclamou. Ele disse para ela que não tinha como
influir. Ela disse que tinha como influir, porque ele influiu em situações semelhantes,
o que é verdade. E ele disse que está acontecendo um efeito manada no Brasil contra
o governo.
MACHADO ­ Tá mesmo. Ela acabou. E o Lula, como foi a conversa com o Lula?
RENAN ­ O Lula está consciente, o Lula disse, acha que a qualquer momento pode
ser preso. Acho até que ele sabia desse pedido de prisão lá…
MACHADO ­ E ele estava, está disposto a assumir o governo?
RENAN ­ Aí eu defendi, me perguntou, me chamou num canto. Eu acho que essa
hipótese, eu disse a ele, tem que ser guardada, não pode falar nisso. Porque se houver
um quadro, que é pior que há, de radicalização institucional, e ela resolva ficar, para
guerra…
MACHADO ­ Ela não tem força, Renan.
RENAN ­ Mas aí, nesse caso, ela tem que se ancorar nele. Que é para ir para lá e
montar um governo. Esse aí é o parlamentarismo sem o Lula, é o branco, entendeu?
MACHADO ­ Mas, Renan, com as informações que você tem, que a Odebrecht vai
tacar tiro no peito dela, não tem mais jeito.
RENAN ­ Tem não, porque vai mostrar as contas. E a mulher é [inaudível].
MACHADO ­ Acabou, não tem mais jeito. Então a melhor solução para ela, não sei
quem podia dizer, é renunciar ou pedir licença.
RENAN ­ Isso [inaudível]. Ela avaliou esse cenário todo. Não deixei ela falar sobre a
renúncia. Primeiro cenário, a coisa da renúncia. Aí ela, aí quando ela foi falar, eu
disse, ‘não fale não, pelo que conheço, a senhora prefere morrer’. Coisa que é para
deixar a pessoa… Aí vai: impeachment. ‘Eu sinceramente acho que vai ser
traumático. O PT vai ser desaparelhado do poder’.
MACHADO ­ E o PT, com esse negócio do Lula, a militância reacendeu.
RENAN ­ Reacendeu. Aí tudo mundo, legalista… Que aí não entra só o petista, entra
o legalista. Ontem o Cassio falou.
MACHADO ­ É o seguinte, o PSDB, eu tenho a informação, se convenceu de que
eles é o próximo da vez.
RENAN ­ [concordando] Não, o Aécio disse isso lá. Que eu sou a esperança única
que eles têm de alguém para fazer o…
MACHADO ­ [Interrompendo] O Cunha, o Cunha. O Supremo. Fazer um pacto de
Caxias, vamos passar uma borracha no Brasil e vamos daqui para a frente. Ninguém
mexeu com isso. E esses caras do…
RENAN ­ Antes de passar a borracha, precisa fazer três coisas, que alguns do
Supremo [inaudível] fazer. Primeiro, não pode fazer delação premiada preso.
Primeira coisa. Porque aí você regulamenta a delação e estabelece isso.
MACHADO ­ Acaba com esse negócio da segunda instância, que está apavorando
todo mundo.
RENAN ­ A lei diz que não pode prender depois da segunda instância, e ele aí dá
uma decisão, interpreta isso e acaba isso.
MACHADO ­ Acaba isso.
RENAN ­ E, em segundo lugar, negocia a transição com eles [ministros do STF].
MACHADO ­ Com eles, eles têm que estar juntos. E eles não negociam com ela.
RENAN ­ Não negociam porque todos estão putos com ela. Ela me disse e é verdade
mesmo, nessa crise toda –estavam dizendo que ela estava abatida, ela não está
abatida, ela tem uma bravura pessoal que é uma coisa inacreditável, ela está gripada,
muito gripada– aí ela disse: ‘Renan, eu recebi aqui o Lewandowski,
querendo conversar um pouco sobre uma saída para o Brasil, sobre as dificuldades,
sobre a necessidade de conter o Supremo como guardião da Constituição. O
Lewandowski só veio falar de aumento, isso é uma coisa inacreditável’.
MACHADO ­ Eu nunca vi um Supremo tão merda, e o novo Supremo, com essa
mulher, vai ser pior ainda. […]
MACHADO ­ […] Como é que uma presidente não tem um plano B nem C? Ela
baixou a guarda. [inaudível]
RENAN ­ Estamos perdendo a condição política. Todo mundo.
MACHADO ­ [inaudível] com Aécio. Você está com a bola na mão. O Michel é o
elemento número um dessa solução, a meu ver. Com todos os defeitos que ele tem.
RENAN ­ Primeiro eu disse a ele, ‘Michel, você tem que ficar calado, não fala, não
fala’.
MACHADO ­ [inaudível] Negócio do partido.
RENAN ­ Foi, foi [inaudível] brigar, né.
MACHADO ­ A bola está no seu colo. Não tem um cara na República mais
importante que você hoje. Porque você tem trânsito com todo mundo. Essa tua
conversa com o PSDB, tu ganhou uma força que tu não tinha. Então [inaudível] para
salvar o Brasil. E esse negócio só salva se botar todo mundo. Porque deixar esse
Moro do jeito que ele está, disposto como ele está, com 18% de popularidade de
pesquisa, vai dar merda. Isso que você diz, se for ruptura, vai ter conflito social. Vai
morrer gente.
RENAN ­ Vai, vai. E aí tem que botar o Lula. Porque é a intuição dele…
MACHADO ­ Aí o Lula tem que assumir a Casa Civil e ser o primeiro ministro, esse
é o governo. Ela não tem mais condição, Renan, não tem condição de nada. Agora,quem vai botar esse guizo nela?
RENAN ­ Não, [com] ela eu converso, quem conversa com ela sou eu, rapaz.
MACHADO ­ Seguinte, vou fazer o seguinte, vou passar no presidente, peço para ele
marcar um horário na casa do Romero.
RENAN ­ Ou na casa dele. Na casa dele chega muita gente também.
MACHADO ­ É, no Romero chega menos gente.
RENAN ­ Menos gente.
MACHADO ­ Então marco no Romero e encontra nós três. Pronto, acabou.
[levanta­se e começam a se despedir] Amigo, não perca essa bola, está no seu colo. Só
tem você hoje. [caminhando] Caiu no seu colo e você é um cara predestinado. Aqui
não é dedução não, é informação. Ele está querendo me seduzir, porra.
RENAN ­ Eu sei, eu sei. Ele quem?
MACHADO ­ O bicho daqui, o Janot.
RENAN ­ Mandando recado?
MACHADO ­ Mandando recado.
RENAN ­ Isso é?
MACHADO ­ É… Porra. É coisa que tem que conversar com muita habilidade para
não chegar lá.
RENAN ­ É. É.
MACHADO ­ Falando em prazo… [se despedem]
Segunda conversa:
MACHADO ­ […] A meu ver, a grande chance, Renan, que a gente tem, é correr com
aquele semi­parlamentarismo…
RENAN ­ Eu também acho.
MACHADO ­…paralelo, não importa com o impeach… Com o impeachment de um
lado e o semi­parlamentarismo do outro.
RENAN ­ Até se não dá em nada, dá no impeachment.
MACHADO ­ Dá no impeachment.
RENAN ­ É plano A e plano B.
MACHADO ­ Por ser semi­parlamentarismo já gera para a sociedade essa
expectativa [inaudível]. E no bojo do semi­parlamentarismo fazer uma ampla
negociação para [inaudível].
RENAN ­ Mas o que precisa fazer, só precisa tres três coisas: reforma política,
naqueles dois pontos, o fim da proibição…
MACHADO ­ [Interrompendo] São cinco pontos:
[…]
RENAN ­ O voto em lista é importante. [inaudível] Só pode fazer delação… Só pode
solto, não pode preso. Isso é uma maneira e toda a sociedade compreende que isso é
uma tortura.
MACHADO ­ Outra coisa, essa cagada que os procuradores fizeram, o jogo virou um
pouco em termos de responsabilidade […]. Qual a importância do PSDB… O PSDB
teve uma posição já mais racional. Agora, ela [Dilma] não tem mais solução, Renan,
ela é uma doença terminal e não tem capacidade de renunciar a nada. [inaudível]
[…]
MACHADO ­ Me disseram que vai. Dentro da leniência botaram outras pessoas,
executivos para falar. Agora, meu trato com essas empresas, Renan, é com os donos.
Quer dizer, se botarem, vai dar uma merda geral, eu nunca falei com executivo.
RENAN ­ Não vão botar, não. [inaudível] E da leniência, detalhar mais. A leniência
não está clara ainda, é uma das coisas que tem que entrar na…
MACHADO ­…No pacote.
RENAN ­ No pacote.
MACHADO ­ E tem que encontrar, Renan, como foi feito na Anistia, com os
militares, um processo que diz assim: ‘Vamos passar o Brasil a limpo, daqui para
frente é assim, pra trás…’ [bate palmas] Porque senão esse pessoal vão ficar
eternamente com uma espada na cabeça, não importa o governo, tudo é igual.
RENAN ­ [concordando] Não, todo mundo quer apertar. É para me deixar
prisioneiro trabalhando. Eu estava reclamando aqui.
MACHADO ­ Todos os dias.
RENAN ­ Toda hora, eu não consigo mais cuidar de nada.
[…]
MACHADO ­ E tá todo mundo sentindo um aperto nos ombros. Está todo mundo
sentindo um aperto nos ombros.
RENAN ­ E tudo com medo.
MACHADO ­ Renan, não sobra ninguém, Renan!
RENAN ­ Aécio está com medo. [me procurou] ‘Renan, queria que você visse para
mim esse negócio do Delcídio, se tem mais alguma coisa.’
MACHADO ­ Renan, eu fui do PSDB dez anos, Renan. Não sobra ninguém, Renan.
[…]
MACHADO ­ Não dá pra ficar como está, precisa encontrar uma solução, porque se
não vai todo mundo… Moeda de troca é preservar o governo [inaudível].
RENAN ­ [inaudível] sexta­feira. Conversa muito ruim, a conversa com a menina da
Folha… Otavinho [a conversa] foi muito melhor. Otavinho reconheceu que tem
exageros, eles próprios tem cometido exageros e o João [provável referência a João
Roberto Marinho] com aquela conversa de sempre, que não manda. […] Ela [Dilma]
disse a ele ‘João, vocês tratam diferentemente de casos iguais. Nós temos vários
indicativos’. E ele dizendo ‘isso virou uma manada, uma manada, está todo mundo
contra o governo.’
MACHADO ­ Efeito manada.
RENAN ­ Efeito manada. Quer dizer, uma maneira sutil de dizer “acabou”, né.

 

Fonte:https://www.facebook.com/folhadesaomateus/videos/vb.761814610593120/981269545314291/?type=2&theater

Jucá explode o óbvio na cara da sociedade: o Estado de Direito foi golpeado


Luizmuller's Blog

Pacto com o Supremo para “estancar sangria” da Lava Jato. Jucá revela o acordo do golpe

Comentário do Blogueiro: O artigo do FERNANDO BRITO , publicado no TIJOLAÇO escancara a maracutaia que todos veem, mas que uns sabem e que o senso comum não consegue enxergar, por que esta com a visão embaçada pelas mentiras espalhadas e repetidas mil vezes pela Globo e pela grande mídia golpista. Até neste caso, vão fazer malabarismos para esconder o óbvio de novo: Houve um Golpe contra a Constituição e o Estado de Direito esta suspenso, por que o Judiciário esta envolvido no Golpe, desde a tal “teoria do conhecimento do fato” aplicada pelo STF no caso do chamado “mensalão” , com condenações esdrúxulas. Soma-se a isto as ações de Moro contra o PT, Lula e até Dilma , amparadas pelo Supremo Tribunal Federal, que deixou o golpe acontecer ao manter o chefe da corrupção, Eduardo…

Ver o post original 653 mais palavras

Vídeo: NY Times mostra luta contra o golpe que a Globo esconde dos brasileiros


Luizmuller's Blog

New York Times

Se a mídia brasileira tenta, desesperadamente, esconder as manifestações contra o ilegítimo governo Temer, importantes veículos internacionais mostram que há resistência no Brasil.

Assista, abaixo, a reportagem do New York Times:

Ver o post original

Evento no Facebook ‘OPERAÇAOOCUPASENADO’ pretende levar 1 milhão para Brasília


Evento organizado nas redes sociais tem como objetivo pressionar os Senadores ‘na marra’ para rejeitarem o impeachment da presidente Dilma

9c3540_ecff8a5b13824c56b1e9858e36af0b07

 

Na expectativa de barrar o golpe na marra, militantes de esquerda começaram a mobilização nacional para levarem ao menos um milhão de pessoas à Brasília na tentativa de barrar o golpe contra a democracia brasileira. Com amplo espaço na imprensa internacional, que são enfáticos na narrativa de que há um atentado à democracia em curso no Brasil, o evento pretende mostrar ao mundo que o jogo virou e que agora a maioria da população se posiciona contra o processo de impeachment e rejeita o eventual governo Temer.
Segundo os organizadores, “o evento foi criado para convocar a população a ir às ruas, que abracem a ideia de que vamos partir pra cima do Senado. Nada de apologia a violência, mas se necessário, iremos ocupar o Senado”, conclui a organização. A expectativa é a de que a adesão seja grande, ja que a esquerda não possui outras alternativas a não ser as ruas.

Veríssimo: quando vamos acordar para a barbárie golpista que ameaça o Brasil?


Luizmuller's Blog

Verissimo Luiz Fernando Veríssimo

Às vezes imagino como seria ser um judeu na Alemanha dos anos vinte e trinta do século passado, pressentindo que alguma coisa que ameaçava sua paz e sua vida estava se formando mas sem saber exatamente o quê. Este judeu hipotético teria experimentado preconceito e discriminação na sua vida, mas não mais do que era comum na história dos judeus. Podia se sentir como um cidadão alemão, seguro dos seus direitos, e nem imaginar que em breve perderia seus direitos e eventualmente sua vida só por ser judeu.

Em que ponto, para ele, o inimaginável se tornaria imaginável? E a pregação nacionalista e as primeiras manifestações fascistas deixariam de ser um distúrbio passageiro na paisagem política do que era, afinal, uma sociedade em crise mas com uma forte tradição liberal, e se tornaria uma ameaça real? O ponto de reconhecimento da ameaça não era evidente (…). Muitos…

Ver o post original 142 mais palavras

VOCÊ ACEITARIA UM EVENTUAL GOVERNO DE TEMER E CUNHA?


13012624_940349282728903_979494947975738327_n

DEPOIS QUE OS EUA FORAM PEGO ESPIONANDO A PRESIDENTE DILMA E A PETROBRAS, VOCÊ AINDA ACREDITA QUE NÃO É GOLPE? ENTÃO VEJA,VOTE E OPINE:


 

E se você ainda não acredita, veja o que diz a Senadora e atual ministra da agricultura Cátia Abreu: Como o filme é muito grande assista apenas 3,5 minutos depois dos 10 minutos.

Se você ainda não sabe o que é #ReformaPolitica do povo, clique aqui para ver a nossa matéria e links para páginas e eventos com enquetes sobre o assunto no Facebook

#GreveGeral a partir do dia primeiro de maio (dia do trabalhador), para afastar ‪ Eduardo Cunha‬ até ser julgado, assim como o afastamento de todos deputados e senadores que estão sendo acusados na lista de propina da Odebrecht. Suspender o impeachment e exigir a‪#‎ReformaPolitica‬ do povo, através de constituinte exclusiva e plebiscito . Devolução de todo dinheiro roubado.

Evento no facebook para participar e chamar parentes e amigos para entrar na luta contra os golpistas corruptos e  favor da democracia.

 

 

 

Veja também:

‘EUA não podem continuar intervindo e derrubando governos na América Latina’, diz Bernie Sanders

 

 

‘EUA não podem continuar intervindo e derrubando governos na América Latina’, diz Bernie Sanders


4226081

Pré-candidato diz que intervenção dos EUA na região é ‘inaceitável’ e que, caso seja eleito, fomentará ‘relação baseada no respeito mútuo’ com países latino-americanos

O pré-candidato do Partido Democrata à presidência dos Estados Unidos Bernie Sanders disse nesta segunda-feira (18/04) que a política intervencionista de seu país na América Latina deve terminar para iniciar um novo período baseado no “respeito mútuo”.
“Os Estados Unidos não podem continuar intervindo na América Latina e derrubando governos ou tentando desestabilizá-los por razões econômicas”, acrescentou o pré-candidato em uma conversa com o vocalista do grupo porto-riquenho Calle 13, René Pérez “Residente”, cujo vídeo foi publicado na página de Sanders no Facebook.
“Temos que ser honestos. A história dos Estados Unidos em relação à América Latina foi a de uma nação poderosa, com o exército mais forte do mundo, dizendo: ‘Não gostamos deste governo, vamos derrubá-lo'”, disse o senador pelo estado de Vermont, acrescentando que “caos” e “massacres” sucederam esses golpes de Estado. “O futuro de cada país deve ser decido por seu povo, não pelos Estados Unidos”, afirmou.
Sanders, que concorre com a ex-secretária de Estado Hillary Clinton pela candidatura democrata à Presidência dos EUA, afirmou que se chegar à Casa Branca fomentará “uma nova relação (com a América Latina) baseada no respeito mútuo” e criticou a atual administração do presidente Barack Obama por não ter feito o mesmo.

Preparar a Greve Geral para garantir direitos e avançar


Luizmuller's Blog

Brasília 1 O Acampamento Nacional da Democracia e o grande Ato contra o Golpe em Brasília, mostra a capacidade e a força de Esquerda e dos Movimentos Sociais quando se juntam.

Perdemos a batalha entre os corruptos da Câmara, mas a batalha das ruas vencemos.A esquerda esta unida.Agora é construir o Programa Mínimo, a Greve Geral e um novo Centro Político que consiga captar toda a diversidade que se juntou para combater o Golpe. Para o Governo, a luta segue no Senado, por que é lá que se julga o Impedimento. O que a Câmara aprovou é só um relatório, que pode ser aceito ou não pelo Senado. Em sendo aceito, Dilma será então julgada. Mas para a Esquerda, se trata de construir a partir da Unidade Conquistada, o novo Centro Político em conjunto com bandeiras bem sinalizadas pelo Stédile no Acampamento Nacional pela Democracia. Tudo isto terá que acontecer de…

Ver o post original 223 mais palavras

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 19.149 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: